Rua 25 de Março começa a retomar atividades com participação efetiva da UNIVINCO

Localizada na região central da cidade de São Paulo, a rua 25 de Março é considerada como o maior centro comercial da América Latina, consistindo em um dos mais movimentados centros de compras varejistas e atacadistas da cidade.

E para colaborar com o crescimento dessa região de extrema importância econômica, há algumas décadas foi fundada a UNIVINCO/União dos Lojistas da Rua 25 de Março e Adjacências, entidade sem fins lucrativos, que contempla a formação de parcerias e a prestação de serviços aos lojistas, sendo reconhecida como de utilidade pública por lei municipal.

Claro que esses tempos sombrios da pandemia mundial, afetou sobremaneira o comércio da Vinte e Cinco de Março, porém agora, mediante autorizações e normas do Governo e Prefeitura de São Paulo, a região começa a flexibilizar de forma planejada o retorno de comerciantes as suas atividades.

Cláudia Urias, Assessora Executiva da UNIVINCO

A UNIVINCO, através de sua assessora executiva, Cláudia Urias, afirma que está aguardando passar para a etapa amarela, quando pensarão numa ampla campanha de divulgação do comércio da região, objetivando atrair novamente o público com informações sobre as normas e protocolos de saúde adotados em todas as lojas, visando uma maior segurança para ambos, lojistas e clientes.

“Nessa reabertura gradual, afirma Cláudia, o que estamos sentindo é que precisaríamos de um período mais amplo no horário de funcionamento, para que dessa forma – talvez – pudéssemos começar a receber um público maior que compensasse toda a reestruturação necessariamente empenhada com essas novas regras de saúde”, conclui.

Com relação as datas comemorativas, ponto forte da 25 de Março, segundo a assessora executiva da UNIVINCO, a situação é um tanto nebulosa, pois o segundo semestre, onde constam datas importantes para o calendário promocional como o dia das Crianças, Halloween e o Natal, ainda vai depender de muita criatividade para que a população aflua à região, principalmente quando não se tem a certeza de uma vacina comprovadamente efetiva e a impossibilidade de utilizar-se as mesmas ferramentas de promoção anteriormente usadas, como carro de som, por exemplo.

Centro comercial mais importante do País, a 25 de março retorna paulatinamente

“Atualmente, com a abertura do comércio desde o início de junho, adianta-nos Cláudia Urias, tínhamos uma expectativa de um aumento nas vendas, uma vez que com o comércio fechado há mais de 90 dias, muita gente nos procurava pelo whatsApp indagando sobre as vendas online e formalizando a sua intenção de voltarem a compra presencial. Após o início da flexibilização, percebemos que a procura maior estacionou nos dois primeiros dias, vindo a ter um significativo decréscimo no restante, prossegue Cláudia, principalmente pelo tempo reduzido de quatro horas e, claro, o próprio receio das pessoas circularem”, finaliza.

Importante ressaltar, que a UNIVINCO não tem medido esforços em suas campanhas de responsabilidade social para que todos os lojistas cumpram os protocolos sanitários, assinados no termo junto a Prefeitura, dando segurança aos clientes, lojistas e colaboradores. E, graças a esse empenho diário e vigilante da entidade, a adesão tem sido superior a expectativa com todos cientes da necessidade de cumprirem com seriedade e muito rigor as normas e os cuidados na prevenção para não proliferar ainda mais o Covid-19.

Finalizando, a assessora executiva da Univinco, Cláudia Urias, ressalta o questionamento da flexibilização do horário aberto ao comércio restrito em apenas 4 horas, conforme acordo com a Prefeitura, e que acaba impossibilitando trabalhar-se de forma correta e viável tanto na questão da saúde como economicamente, uma vez que as pessoas passam correndo devido a pequena dimensão de horário e outras nem voltam a frequentar e fazer suas compras na 25 de março, pois ficam com receio de aglomeração. Para isto, já há tratativas junto ao Prefeito para que a grade horária seja estipulada de segunda a sexta-feira das 9 às 15 horas e aos sábados das 8:30 às 14:30 horas, saindo então do horário de pico de ônibus e metrô.

Maurício Coutinho / jornalista / produtor cultural